Tag Archives: Poesia

Barreira de Gelo

Eu vi seu olhar suave, sereno e forte
Fui até seu encontro mas não entendia
Porque te via mas não te sentia

Pensei nas mais belas coisas,
No formato da sua mão,
No intenso pensamento e elevada busca

Corri até você, mas havia uma grande parede,
Transparente e fria:
Era a grande barreira de gelo!

Causava arrepios, mas permitia vê-lo
Não era possível o toque,
Mas o semblante das almas não precisa de toques

Entrei no seu olhar e compreendi os erros,
A necessidade de esperar
A espera virtuosa, dos verdadeiros heróis

Aqueles que transformam a ansiedade, o medo e a dor
Em desejo e luta
Aqueles que acreditam na beleza do dia amanhecer
Nas pessoas e no amor

Que conseguem em pensamentos
Transformar amor em esperança
Rancor, ódio e vingança em humildade
Conquistam olhares e acumulam corações

São vistos como anjos
Por não transmitir dor e atrair o calor
Que derrete a grande barreira de gelo
De nossos corações!

Fernanda Dutra

  • 316
  • 1

Luz da Vida

A luz vem em direção da vida
Que intrínseca nos protege
Das armadilhas da traição
E incoerências do destino

Revividas pelo dom de voar
Esse dom que é único
Daqueles  que sonham
Que tem suas almas em elevação

Faz com que fontes sejam sugadas
Pela ânsia de conquistar
Algo que se mostra utópico
Mas é apenas improvável

E quando a vida se mostra
Exatamente quando a vemos
Sentimos e nos conduzimos
Em direção ao mais belo

Em um momento supremo
Instante que nos fazem fortes
Outrora mágicos ou inoportunos
De qualquer forma, puro

Pois só é o puro o pensamento
Que sobrepõe conceitos
Que extrapola limites
Sem afetar o belo
E o belo digno de viver
De sentir, de tocar
De se emocionar
Com que, de fato, é belo!

Fernanda Dutra

  • 358
  • 1

Saudade

Do tempo que se foi
Do tempo que não vem
Da riqueza das flores
Nos dias apaixonados de primavera

Da vontade de crescer
Da ilusão dos sonhos
Do meu jeito maroto
Da falta do que fazer

Da luz da farra
Dos morros que só traziam o vento
Das faltas cometidas
Dos risos escondidos

Do olhar triste e alegre ao mesmo tempo
Da fúria adolescente
Da busca eterna
De um lugar para ficar

Da inconsciência do futuro
Da falta de pretensão
Do lago com pedalinho
Do colo materno

Do estar e ficar
Sem ficar ao menos
Sem estar para ficar
Mas sentir que está em algum lugar
E que algo ficou para sempre

Fernanda Dutra

  • 318
  • 1